SOBRE PASSADOS, RIQUEZAS E ARROZES: Machado de Assis e o Sermão breve do Diabo.

Por Paulo Henrique Rodrigues Pereira* Um dos aspectos mais interessantes da descrença aos saberes – tão típica do nosso tempo – é a de uma certa desconfiança sobre o passado. Os olhares pouco atentos acham que os ataques são aos historiadores, seus livros, suas teses. Nada disso, é ao passado mesmo. Na verdade, é uma tarefa necessária. De tempos em tempos, as soluções fáceis sobre … Continuar lendo SOBRE PASSADOS, RIQUEZAS E ARROZES: Machado de Assis e o Sermão breve do Diabo.

Indústria brasileira só é mais competitiva do que a da Argentina — Foto: Pexels

As mentiras sobre as razões da alta dos preços e a importância da desvalorização do câmbio para a reindustrialização do Brasil

Por Gabriel Cassiano Nas últimas semanas tenho feito várias críticas à “Teoria Quantitativa da Moeda”, formulada por Irving Fischer e consolidada no monetarismo de Milton Friedman, ainda na década de 1970, que foi a base da contribuição da escola de Chicago para o desenvolvimento posterior do neoliberalismo, supostamente tendo superado os  “equívocos de Keynes” e elencando os pilares para as políticas econômicas que passaram a … Continuar lendo As mentiras sobre as razões da alta dos preços e a importância da desvalorização do câmbio para a reindustrialização do Brasil

Efeitos do Auxílio Emergencial: excessivas são a pobreza e a desigualdade, não o auxílio

Por Lauro Gonzalez, Professor da EAESP-FGV e coordenador do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira da FGV (twitter @LauroGonz2019) e Bruno Barreira, Pesquisador do Centro de Estudos em Microfinanças e Inclusão Financeira da FGV. A pandemia do novo coronavírus arrastou a economia global para níveis inéditos de recessão.  Diante da crise, todos cobram ações do Estado, inclusive o mercado. No Brasil, Guedes e … Continuar lendo Efeitos do Auxílio Emergencial: excessivas são a pobreza e a desigualdade, não o auxílio

Por narrativas econômicas que resgatem a esperança

Por Carmem Feijó, Carlos Henrique Horn, Fernanda Feil[i] No debate econômico internacional, a defesa do Estado mínimo e das políticas de austeridade está enfraquecida diante da profunda crise da Covid-19. O reconhecimento da importância de uma política fiscal expansionista com o propósito de alavancar e sustentar o crescimento já não parece tão utópico quanto outrora. Na crise em curso, as autoridades econômicas ao redor do … Continuar lendo Por narrativas econômicas que resgatem a esperança

É preciso exorcizar a política fiscal

Por Fábio Terra, Professor da UFABC e do PPGE-UFU. A política fiscal no Brasil foi transformada em demônio e é preciso exorcizá-la. Ela é a mais importante política econômica de um país, pois paga por todas as demais políticas públicas. Além disso, diferente das políticas monetária, cambial e até mesmo industrial, que funcionam por meio de incentivo, a fiscal afeta diretamente a demanda agregada e … Continuar lendo É preciso exorcizar a política fiscal

O problema do rei inepto: reflexões a partir de Ricardo II

Por José Garcez Ghirardi O que fazer quando um governante, tendo ascendido legitimamente ao poder, se revela incapaz de promover o bem comum e se mostra absolutamente desinteressado da saúde da república, tornando-se assim, ele mesmo, um risco para o corpo político? Essa dificuldade constitui o cerne da magnífica trama que Shakespeare nos oferece em A tragédia do rei Ricardo II (1595-1596). A questão do … Continuar lendo O problema do rei inepto: reflexões a partir de Ricardo II

Voltar para onde?

José Francisco de Lima Gonçalves O fim do padrão ouro, como instituição internacional centrada na Inglaterra, estava decretado com o declínio relativo daquele país. A emergência de Alemanha e Estados Unidos, coadjuvados pela França e pelo Japão, redesenharia a economia global, tanto na geopolítica quanto na economia e nas finanças. A expansão e diversificação das malhas comerciais e financeiras constituiu a base de consolidação da … Continuar lendo Voltar para onde?

A decisão pela inação na política econômica

Por João Romero Já vivemos uma crise devastadora, e o pior ainda não chegou. O Brasil já vinha enfrentando dificuldades na recuperação da economia após a crise de 2015-16. A perspectiva de crescimento seguia baixa e o desemprego elevado, quando veio então a epidemia. O problema é que a ampliação de intervenções estatais, absolutamente cruciais para lidar com a epidemia e a crise, vai em … Continuar lendo A decisão pela inação na política econômica

É hora de tratar a educação como investimento público

Por André Roncaglia, Élida Graziane Pinto e Salomão Ximenes Em 2020 celebramos o centenário do nascimento de Celso Furtado. Como ministro do Planejamento de João Goulart, Furtado foi o responsável pela elaboração do Plano Trienal (1963), o qual contava com o primeiro Plano Nacional da Educação – PNE. Em 25 de junho deste ano, o PNE 2014-2024 chega ao sexto aniversário, paralisado e sem perspectivas. … Continuar lendo É hora de tratar a educação como investimento público

Sistema Nacional de Inovação: um repensar necessário

Por Eliane Araújo e Samuel Peres Na literatura da economia da tecnologia e evolucionária, destaca-se a natureza sistêmica dos processos de inovação, observando que as empresas normalmente não inovam isoladamente, mas na colaboração e interdependência com outras organizações. Essas organizações podem ser outras empresas (fornecedores, clientes, concorrentes etc.) ou entidades não empresariais, como universidades, institutos de pesquisa, ministérios e organizações governamentais. O comportamento das organizações … Continuar lendo Sistema Nacional de Inovação: um repensar necessário